Passei a julgar as pessoas de acordo com o lugar onde vivem. Não tem jeito, a energia pega qualquer um.

Esse ano me surpreendi quando dei de cara com pessoas que se mostravam totalmente cultas e que passaram a agir como crianças marginais, por influência. Toda essa situação me lembra o que Hitler fez na Alemanha. Sim, ele conquistou e convenceu a todos. Mas, por quanto tempo?

Perdi as contas de quantas vezes quis desistir esse ano. Acredite, foram muitas. Não é fácil lidar com uma má reputação quando se passa a vida inteira sendo conhecida como "boneca de porcelana". Mas os meus planos de vida são tantos e tão possíveis, que simplesmente não consigo largá-los. Foi o que me prendeu e agora sinto orgulho de mim mesma. Orgulho de ter chegado até aqui. Por mais que eu tenha surtado um pouco mais do que deveria...

Gostei de entrar na brincadeira por um tempo.

É incrível como situações que antes me faziam desabar, não fazem diferença alguma mais. Quando me comparo com o que era no ano anterior, vejo uma pessoa completamente diferente. Minha alma parece ter criado uma barreira contra ataques mesquinhos. Sou grata pela vida. Foi graças a um ano sendo completamente louca que estou me tornando cada vez mais o que eu sempre sonhei em ser.

Vi pessoas ficarem fora de sim com o meu desprezo. Não há sentimento pior, né? A sensação de não conseguir resultados correndo muito atrás daquilo que quer. De ser ignorado, vendo a pessoa que se quer muito derrubar seguindo em frente. Perdão, amor, de você eu só sinto pena.

Como afirmou o meu horóscopo: minhas amizades se tornaram seletivas. Fiz questão de excluir muita gente da minha vida e, por mais que tenha quase certeza de que vou me arrepender disso, sinto-me mais leve. Mais sozinha, claro. Contudo, estou aprendendo a tomar decisões sem ter que contar com qualquer outra pessoa.

Foi difícil passar a querer sair de novo. Me divertir. Meus nervos ainda gritam e eu me sinto um tanto estranha. Talvez eu tenha desenvolvido uma espécie de síndrome, mas não me culpo por isso. É bom saber que está passando. Apesar de tudo, sei que não sou uma criminosa.


Mas, afinal, quem é o Hitler?